Arquivo da tag: Apolônio Alves dos Santos

Poeta Apolônio Alves dos Santos – Capas dos folhetos

Poeta Apolônio Alves dos Santos – Síntese biográfica

Apolônio Alves dos Santos (20/09/1926 –/1998)

Cordelista paraibano, nascido aos 20 de setembro de 1926, em Serraria, município caracterizado pela paisagem serrana e clima agradável, por isso é reconhecida como Princesa do Brejo ou Suíça paraibana. Algumas fontes afirmam que Apolônio nasceu em Guarabira, Paraíba, mas na realidade esta foi a cidade onde os pais, Francisco Alves dos Santos e Antônia Maria da Conceição, criaram o poeta. Faleceu aos 72 anos, na cidade de Campina Grande, Paraíba, no ano de 1998.

Iniciou a vida literária aos 20 anos. Escreveu e não pôde publicar seu primeiro romance: Maria Cara de Pau e o Príncipe Gregoriano, o qual foi vendido, em 1948, para José Alves Pontes, sendo publicado no ano seguinte, em Guarabira, Paraíba.

Nos idos de 1950, foi trabalhar na construção civil na Cidade Maravilhosa, como pedreiro e ladrilheiro; em 1960 trabalhou em Brasília, e inspirado escreveu A construção de Brasília e sua inauguração e, no ano seguinte, retornou para o Rio de Janeiro. Sua estada no Rio contextualizou o cordel Discussão do Carioca com o Pau-de-Arara:

“[…]
Disse o nortista é por isso
que o nordestino é forçoso
porque no meu velho norte
se come pirão gostoso
com farinha de mandioca
aqui só dá carioca
doente tuberculoso
C – “Respondeu o carioca
no queira tanto agravar
seu nordeste é muito bom
mas lá ninguém quer ficar
deixou lá seu pé de serra
e veio pra minha terra
para poder escapar”.
N – ” Aqui também me pertence
o nortista respondeu
eu sou nato brasileiro
o Brasil é todo meu
o homem precisa andar
para poder desfrutar
do país onde nasceu”.
C – “O carioca rompeu
nordestino é curioso
além de ter olho grande
é demais ambicioso
chega aqui se amaloca
na terra do carioca
doente tuberculoso”.
N – “Disse o nortista é porque
nosso Rio de Janeiro
precisa do nordestino
pois é um povo ordeiro
pra quem derrama suor
aqui no Rio é melhor
para se ganhar dinheiro
[…]”.

 FONTES CONSULTADAS

SANTOS, A. A. In: EDITORA Luzeiro: biografias de poetas. [S.l.: s.n., 20?]. Disponível em: <http://editoraluzeiro.com. br/content/1-biografias-de-poetas>. Acesso em: 22 out. 2014.

 APOLÔNIO Alves dos Santos. [S.l.: s.n., 20?]. Disponível em: <http://www.onordeste.com/onordeste/enciclopediaNordeste/index.php?titulo=Apol%C3%B4nio+Alves+dos+Santos>.  Acesso em: 06 nov. 2014.

CORDELISTA paraibano póstumo Apolônio Alves dos Santos. In: CORDEL Paraíba: espaço destinado à publicação de poemas e informações diversas relacionadas com a literatura de cordel. [S.l.: s.n., 20?].  Disponível em: cordelparaiba. blogspot.com.br/2010/06/cordelista-paraibano-postumo-apolonio.html>. Acesso em: 06 nov. 2014.

 

Poeta Apolônio Alves dos Santos – Produção Literária

A briga de Lampião com Sabino

A descrição da cidade e o progresso do Rio de Janeiro

A feira dos nordestinos no Campo de São Cristovão – R.J.

A grande peleja de Preto Limão com Inácio da Catingueira

A guerra das Malvinas

A história de Roque Santeiro

A moça que se casou 14 vezes e continuou donzela

A morte de Lampião ou a Vingança de Corisco

A morte de Leandro: saudades

A mulher que dançou com o diabo numa boate em Campina

A mulher que desejou um pedaço do marido

A mulher que enjeitou seu marido na lua de mel

A sonegação da carne difama o plano cruzado

A tragédia das enchentes em todo Rio de Janeiro

A vida de Pedro Cem

A vitória do Brasil tetra campião mundial de futebol na Copa 94

ABC da cachaça

ABC da UVR ou o real a nova moeda brasileira

Adeus a Frei Damião 1898 – 1997

Apolinário e Helena

As astúcias de Pedro Malazartes

As mortes misteriosas de PC Farias e Suzana Marcolina

Boi velho

Descrição de algumas cidades do Estado do Ceará

Discussão do cachaceiro e o crente

Eleições diretas já para um novo presidente

Encontro de Luiz Gonzaga com Padre Cicero no céu

Encontro do cangaceiro Vilela com o Negrão do Paraná

Epitácio e Marina

Façanhas de Lampião

Greve e mortes em Volta Redonda – RJ

Greve, crise e carestia no Brasil dos tubarões

Historia das Sete Cidades da Serra da Ibiapaba – CE

História do boi que falou em Minas Gerais

já escreveu cerca de 120 folhetos, sendo os principais

Lampião vai ao inferno buscar Maria Bonita

Nova aparição do cometa Halley

O automóvel da morte

O aventureiro do Norte

O beberrão que lutou com o diabo sexta feira da paixão

O divórcio

O divórcio no Brasil

O filho que matou a mãe por um bago de jaca

O herói João Canguçu

O homem que deu a luz em Minas Gerais

O homem que veio do céu

O marido preguiçoso ou a panela de ouro

O marido que deixou a mulher por uma jumenta na Bahia

O massacre dos Sem-Terra no Pará e reforma agrária já

O menino do pião

O monstruoso crime de Serginho, em Bom Jesus de Itabapoana, Est.RJ

O noivo falso engenheiro

O pau de arara valente

O pistoleiro da vila

O valente Daniel

Olegário e Albertina entre o crime e o amor

Oração da cachaça

Os mistérios da macumba

Os retirantes das secas “Não Chove Mais no Sertão”

Os sinais do fim do mundo que Padre Cícero dizia

Os sofrimentos dos aposentados “Presidente Mate os Velhos”

Os tres fugitivos para o Egito Jesus, Maria e José

Palestra de JK com Getúlio Vargas no céu

Peleja de Cicero Quaresma com Expedito Ferreira

Peleja de João Mandioca com Severino Tempero

Peleja de Zé Pitanga com Zabelê do Sertão

Segunda visita do Papa João Paulo II ao Brasil

Tancredo envia do céu mensagem a constituinte

Tiradentes – O Martir da Independencia

Tragédia no mar na ultima noite do ano

Uma briga de foice; por causa do rabo de uma ovelha

Uma carta de Tancredo endereçada ao Presidente F.H.C.

Vida e morte de Tenório o homem da Capa Preta

Vingança da honra ou Os monstros do sexo

Visita do Sto. Papa ao Brasil s/ Palestra c/ o Pres. J. Figueiredo em 30.6.80