Poeta Adolfo Mariano de Jesus – Síntese biográfica

Filho dos mineiros Francisco Mariano de Jesus e Maria Antônia de Oliveira, Adolfo Mariano de Jesus também nasceu em solo mineiro na cidade de Patrocínio, no dia 20 de fevereiro de 1895 e teve quatro irmãos: Bernardino Mariano de Oliveira, Maria Delfina Guimarães, João Mariano de Oliveira e João Francisco Guimarães (ADOLFO …, 2003; O POETA …, 2009).

Em 1897, quando Adolfo tinha apenas dois anos de idade seus pais radicaram-se na terra das congadas, Catalão – GO, precisamente na fazenda do Pari, hoje pertencente à Goiandira e nesta cidade pode-se dizer que teve sua formação sociocultural. Homem múltiplo, Adolfo Mariano foi “administrador, ativista, conferencista, contista, cordelista, cronista, educador, ensaísta, escritor, fazendeiro, ficcionista, intelectual, literato, memorialista, orador, pensador, pesquisador, poeta e produtor cultural.” (ADOLFO …, 2003; O POETA …, 2009).

Viveu na fazenda Chapéu, também em Goiandira, casado com Tereza Francisca de Rezende e teve onze filhos: Jesus, Maria, Tércio, Gerson, Laerte, Lecita, Terezinha, Divino, Linea Mariano de Rezende, Jair e Dileno. Faleceu aos 86 anos de idade, no dia 10 de janeiro de 1982, na cidade de Goiânia, em consequência de uma pneumonia (O POETA …, 2009).

Mário Ribeiro Martins biografou Adolfo Mariano de Jesus no Dicionário Biobibliográfico de Goiás (1999), além de focalizá-lo em outras produções Estudos Literários de Autores Goianos e Escritores de Goiás (ADOLFO …, 2003).

No site Usina das Letras ainda encontramos a informação de que Adolfo Mariano de Jesus foi membro da União Brasileira de Escritores de Goiás, da Associação Brasileira de Cordelistas, além de estar presente na Estante do Escritor Goiano, do Serviço Social do Comércio (Sesc), e autor de múltiplos textos de estudos folclóricos (ADOLFO …, 2003).

Passou a publicar aos 30 anos, em 1925, no jornal Novo Horizonte de Catalão, porém começou a escrever seus versos cedo, após uma instrução rudimentar que recebeu por um curto período de 11 meses, do mestre João Barbosa de Melo, quando ainda morava na fazenda dos pais. Ainda jovem também aprendeu a tocar viola e sanfona (O POETA …, 2009).

Moreira (2012) conta que ofolclorista paulista José A. Teixeira estudou o folclore goiano, em 1938, vindoa publicar o livro Folclore Goiano(1940), com segunda edição após 18 anos, precisamente em 1958, ambas pela Cia.Editora Nacional. Eis o que nos falou Teixeira (1938) apud Moreira (2012):

Este homem sertanejo, cuja fama, apesar da sua modéstia, corria sertão afora; durante sua vida escreveu versos sonoros para a memória popular, dentre estes sobressaem os referentes à coluna Prestes e à revolução de 1930; sua moda fornece dados históricos e reacionais da população sertaneja, ante estes dois acontecimentos; além deste particular enfoque, sua poesia registrou, também, os velhos processos políticos e eleitorais da época ena região onde morava, quando imperavam a fraude e a violência.

Adolfo Mariano de Jesus, tambémconhecido como Adolfo Mariano de Goiandira, escreveu poemas como: ABC da Revolução – coluna Prestes(ADOLFO …, 2003; MOREIRA, 2012; O POETA …, 2009; PETROF, 2015).

ABC da Revolução

Amigu leia estis versu
I presti bem atenção,
Neli queru dar us dadu
Da ultima revolução,
Desde u Piris du Riu             
Até u velhu Catalão.
 
Coluna Siquera Campus
Chegandu naqueli pontu,
Feislogu requisição
Pidinducincuentacontu;
Numa ocasião de crisi
Achou todu mundu prontu.
 
Demoraram alguns minutu
I começô a malvadeza,
U Siquêr aautorizô
Qui ali fizesse limpeza,
Saquiasse o dinhêro
U restu desse à pobreza.
 
ZoroastrudiArtiaga
Logutirô uma linha
Fugiu levandu a mudança
Puxada numa carrocinha
I pidindu aos que ficassi
Ninguem dê nuticias minha..

Teixeira (1938) apud Moreira (2012) assim delineia opoeta: “homem de meia estatura, moreno, magro, pais mineiros, lê e escreve;sempre com sua viola, toda enfeitada de fitas”.

FONTES CONSULTADAS

ADOLFOMariano de Jesus. In: USINA das letras. [S.l. : s.n.], 2003. Disponível em:<http://www.usinadeletras.com.br/exibelotexto.php?cod=3741&cat=Ensaios>.Acesso em: 2 mar. 2017.

MOREIRA, Hélio. Folclore goiano. In: MINHAS crônicas. [S.l. : s.n.], 2012. Disponívelem: <http://minhcronicas.blogspot.com.br/2012/04/folclore-goiano.html>.Acesso em: 3 mar. 2017.

O POETA Nato: Adolfo Mariano. In: Blog o poeta nato: Adolfo Mariano. [S.l. : s.n.],[2009].  Disponível em:<http://fund.adolfomariano.blog.uol.com.br>.Acesso em: 3 mar. 2017.

PETROF,Daiana. A revolução de 1930 e o folclore goiano. Diário da manhã, [S.l.], 30 jun. 2015. Disponívelem:<https://www.dm.com.br/opiniao/2015/06/a-revolucao-de-1930-e-o-folclore-goiano.html>.Acesso em: 3 mar. 2017.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s