Poeta Manoel Monteiro da Silva – Síntese biográfica

Manoel Monteiro da Silva (04/02/1937 – 06/2014)

Manoel Monteiro da Silva nasceu na cidade de Bezerros, a 102 km de Recife, Pernambuco, no dia 4 de fevereiro de 1937, mas desde 1955 morava na Rainha da Borborema, Campina Grande, Paraíba, onde fora radicado.

Em junho de 2014, deixou o mundo do cordel de luto, ao falecer aos 77 anos. Após oito dias desaparecido, o poeta e cordelista pernambucano Manoel Monteiro foi encontrado morto em um quarto de hotel em Belém, Pará. Sua morte foi confirmada pela família dele no final da tarde do dia 8 de junho de 2014 (LOPES, 2014).

Manoel Monteiro foi um dos grandes responsáveis pela difusão da literatura nas escolas. Viveu boa parte de sua vida na cidade de Campina Grande, Paraíba, divulgando a cultura e a história do estado que o acolheu.  Nos últimos anos de sua vida, Manoel Monteiro enfrentava problemas de saúde, sendo diagnosticado com diabetes, apresentando dificuldade na visão, e ainda assim, estava em plena atividade escrevendo livros paradidáticos para grandes editoras. Lançou pouco antes de sua morte, o projeto intitulado: Cordelando a Paraíba, no qual ele e outros escritores recontaram a história de cada um dos 223 municípios paraibanos (LOPES, 2014).

Participou do Projeto Paraíba, Sim Senhor!. Nesse projeto, Manoel Monteiro apresentava resumos biográficos de ilustres filhos deste Estado. Foi também membro da Academia Brasileira de Literatura de Cordel (ABLC), onde ocupava a cadeira de número 38, que era patroneada pelo poeta pernambucano Manoel Tomaz de Assis (HAURÉLIO, 2011).

Detalhista, meticuloso, aborda em seus folhetos, temas variados e polêmicos, com surpreendente objetividade, representante do chamado Novo Cordel. Seguro no ofício de escrever versos rimados e metrificados, suas narrativas são envolventes prendendo o leitor aos seus versos, dando mais valoração e qualidade à sua produção, sendo inclusive indicada a ser trabalhada em várias escolas do Brasil, principalmente pela riqueza de seus escritos.

Manoel Monteiro não é apenas um escritor da poesia popular: acima de tudo, é um grande incentivador e divulgador desta modalidade literária não apenas no estado da Paraíba, mas no Brasil. Foi também um exímio pesquisador da cultura popular, escrevendo artigos para jornais e revistas. Fez das contracapas de seus folhetos uma espécie de espaço de crítica, onde ele expunha o que pensava sobre o assunto abordado em questão (RIBEIRO, 2009). Ganhou em 2010, o prêmio de melhor cordelista do país, outorgado pela Associação Brasileira de Literatura de Cordel, situada no Rio de Janeiro, em Santa Teresa.

Foram mais de 200 títulos escritos por Manoel Monteiro, a exemplo de A Maior Festa Junina é Feita Aqui em CampinaO Castigo da SoberbaUma Tragédia de AmorPeleja de Manoel Camilo com Manoel Monteiro; Padre Cícero: Político ou Padre? Cangaceiro ou Santo?Quer Escrever um Cordel? Aprenda a Fazer FazendoCartilha do DiabéticoA Estória do ET, entre outros.  Ao contrário de alguns poetas, Manoel Monteiro trouxe em seu cordel intitulado: Lampião. Herói de meia tigela um certo tom de crítica e realismo, descortinando as astúcias do coronel Virgulino, vejamos:

Lampião. Herói de meia tigela

Todo cordel produzido

Com, ou sem inspiração,

Mostrando a VIDA e os CRIMES

Do facínora LAMPIÃO,

Não soube, ou fez-se esquecido,

Que só aplaude bandido

Quem só admira ladrão.

 

Tem centenas de folhetos

Sobre a vida dessa escória,

Mas, se uns não dizem nada,

Outros lhes cobre de glória;

Sem pesquisa, se diluem

E em nada contribuem

Com subsídio pra a história

(p. 1)

[…]

Para Manoel, a receita para ser um bom cordelista é produzir seus textos adaptando-os à realidade. Dessa feita, se estamos no século XXI, a produção tem que ser feita baseando-se nas demandas de temáticas atuais. Nesse sentido, o cordel será pensado através de temas da atualidade, possibilitando uma melhor interação com o próprio público leitor.

Diante desse contexto, destacamos como exemplo o cordel produzido pelo poeta Manoel Monteiro, intitulado: Verbos, Versos e Rimas e Nova Ortografia. Para o cordelista, pensar no cordel do século XXI é também pensar na produção de textos que possibilitem uma interação com as escolas brasileiras, sendo uma forma de auxiliar o professor no ensino em sala de aula.

Em entrevista realizada por Rubênio Marcelo, em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, no dia 26 de abril de 2010, Manoel Monteiro afirma: “… o Novo Cordel de que eu falo é o cordel atual, o cordel do século XXI, este que está sendo utilizado, com eficiência, pelos professores nas salas de aula. O cordel, no momento, está em uma evidência muito maior do que nos seus ditos tempos áureos e pioneiros. Isto é verdade.” Certamente, por pensar assim e agir assim, Manoel Monteiro foi considerado o maior expoente do novo cordel.

FONTES CONSULTADAS

HAURÉLIO, Marco. Dicionário básico de autores de cordel. In: Cordel Atemporal, 5 jun. 2011. Disponível em: <http://marcohaurelio.blogspot.com.br/2011/06/dicionario-basico-de-autores-de-cordel.html>. Acesso em: 04 out. 2014.

LOPESSeverino.  Poeta Manoel Monteiro é encontrado morto em Belém e país perde seu maior cordelista. PB Agora, João Pessoa, 08 de Junho de 2014. Disponível em: <http://www.pbagora.com.br/conteudo.php?id=20140608212234&cat=cultura&keys=poeta-manoel-monteiro-encontrado-morto-belem-pais-perde-seu-maior-cordelista>. Acesso em: 19 out. 2014.

MANOEL Monteiro. In: O NORDESTE.  Disponível em: <http://www.onordeste.com/onordeste/enciclopediaNordeste/index.php?titulo=Manoel+Messias+Belizario+Neto>. Acesso em: 14 nov. 2014.

MANOEL Monteiro da Silva. In: CORDEL de Saia. Disponível em: <http://cordeldesaia.blogspot.com.br/2010 /12/balela-de-belem-manoel-monteiro.html>. Acesso em: 10 nov. 2014.

MONTEIRO, Manoel. Lampião. Herói de meia tigela. 2. ed. Campina Grande, 2011.

______. O maior expoente do novo cordel. Campo Grande, 26 abr. 2010. Entrevista concedida a Rubênio Marcelo. Disponível em: <http://cordelparaiba.blogspot. com.br/2010/04/manoel-monteiro-e-o-novo-cordel.html>. Acesso em: 13 out. 2014.

RIBEIRO, Johniere Alves. Manoel Monteiro: visibilidade de uma poética. 2009. 107 f. Dissertação (Mestrado em Literatura e Interculturalidade) – Universidade Estadual da Paraíba. Campina Grande, 2009.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s