Poeta José Bernardo da Silva – Síntese biográfica

José Bernardo da Silva (02/11/1901 – 1971)

Considerado um dos mais expressivos editores de literatura de cordel durante as décadas de 40, 50 e 60. Mesmo com o seu falecimento em 1971, a Lira Nordestina (nome que ganhou a sua casa editorial – a Tipografia São Francisco – por sugestão do poeta Patativa do Assaré) continuou esse trabalho até meados da década de 80.

José Bernardo da Silva nasceu em Alagoas no dia 2 de novembro de 1901. Filho de pequeno sitiante, segundo apuraram os mais acreditados pesquisadores da literatura de cordel, emigrou com seu pai na seca de 1915 para Pernambuco, instalando-se inicialmente na cidade de Vitória do Santo Antão, onde trabalhava na lavoura. Em 1924, casa-se com Ana Vicência de Arruda e Silva. Veio pela primeira vez ao Juazeiro do Norte em 1926, numa romaria, percorrendo todo o trajeto a pé em companhia da mulher e da filha mais velha. Chegando à Meca do Cariri, travou conhecimento com o grande Patriarca do Juazeiro – Padre Cícero e resolveu fixar-se na cidade, onde começou a trabalhar como vendedor ambulante de raízes e outros produtos medicinais usados pelo povo e, também a vender os primeiros folhetos, seus e de outros autores.

Em 1936, fundou a mais renomada editora popular de todos os tempos. Inicialmente, voltada à impressão dos folhetos do próprio José Bernardo e de outros poetas da região. A Tipografia São Francisco ganhou impulso extraordinário com a aquisição dos direitos autorais das obras editadas por João Martins Ataíde, entre as quais as de Leandro Gomes de Barros. Devido a essa prática, antigamente comum na literatura de cordel, de transferência de direitos autorais de um autor para um editor, o nome de José Bernardo aparece em inúmeros folhetos de autoria alheia, o que torna difícil precisar os que foram efetivamente escritos por ele. O seu acervo de mais de 200 obras passou, com o fim da Tipografia São Francisco, para a Lira Nordestina e, mesmo com o seu falecimento em 1971, a Lira Nordestina continuou esse trabalho até meados da década de 80.

Em relação à sua função de tipógrafo registrou em verso o poeta:

 Não sou poeta vos digo

Mas com rima arranjo o pão.

Sou chapista e impressor

Sou bom na composição.

O meu saber se irradia

Conheço com perfeição

Agradeço esta opulência

À Divina Providência

E ao Padre Cícero Romão

FONTES CONSULTADAS

FLOGÃO. [S.l.: s.n., 20?]. Disponível em: <http://www.flogao.com.br/arievaldocordel/29191043>. Acesso em: 20 nov. 2014.

PINTO, Rosário. José Bernardo da Silva. [S.l.: s.n., 20?]. Disponível em: <http://cordeldesaia.blogspot.com.br/2011/05/ cordel-de-saia-homenageia-jose-bernardo.html>. Acesso em: 11 nov. 2014.

RAMOS, Everardo. Escritores-illustradores de folhetos de cordel: processos de criação popular. IN: ENCONTRO REGIONAL DA ABRALIC, 2007, São Paulo. Anais… São Paulo: [s.n], 2007.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s