Arquivo da tag: João Antônio de Barros

Poeta João Antônio de Barros – Síntese biográfica

João Antônio de Barros (24/06/1935 – 11/08/2009)

Natural de Glória de Goitá, estado de Pernambuco, João Antônio de Barros, ou Jotabarros como era conhecido nasceu em 24 de junho de 1935 e faleceu em 11 de agosto de 2009, aos 74 anos de idade na cidade de São Paulo onde residia desde 1973.

O poeta era marceneiro, entalhador, xilógrafo, repentista e cordelista. Viveu inteiramente uma vida dedicada à arte e dela retirou seu sustento, especialmente da venda de seus cordéis e de suas xilogravuras que o tornaram conhecido. Outro de seus atributos artísticos era o repente e as cantigas de improviso acompanhadas do som da viola.

Muitos de seus escritos refletem o olhar do imigrante sobre a cidade de São Paulo, presença marcante em sua produção literária. De espirito crítico lia como ninguém a realidade social tanto que sua obra prima por uma qualidade informacional da realidade histórica, política e social de cada época, a exemplo do verso extraído da obra “Um arranca rabo em São Paulo”:

“No ano de oitenta e três

Perto do ano dois mil

Na capital de São Paulo

No começo de Abril

A fome obrigou o povo

A compromissar o Brasil

 

Há mais de dezoito anos

O povo estava amrrado

Nas cordas da ditadura

Sofrendo angustriado

E havendo democracia

Cobra o seu atrasado”

O poeta é autor de mais de trinta e três obras entre as quais tornou-se muito conhecido pelo clássico “Maria Bonita e Lampião no paraíso tentado por Satanás publicado pela editora Luzeiro”.

FONTES CONSULTADAS:

HAURÉLIO, M. João Antônio de Barros. [S.l.: s.n.: 20?]. Disponível em: <http://marcohaurelio.blogspot.com.br/2011/06 /dicionario-basico-de-autores-de-cordel.html>. Acesso em: 18 nov. 2014.

BARROS, J. A. Perfis. [S.l.: s.n.: 20?]. Disponível em: <http://www.casarui barbosa.gov.br/cordel/janela_perfis.html>. Acesso em: 10 out.  2014.

______. [S.l.: s.n.: 20?]. Disponível em: <http://archive.today/18rx#selection-221.0-223.474>. Acesso em: 18 nov. 2014.

______. [S.l.: s.n.: 20?]. Disponível em: <http://gloriadogoitacultural.blogspot.com.br/2011/02/gloria-do-goita-cultural-escritores.html>. Acesso em: 18 nov. 2014.

GALVÃO, A. M. O. Cordel leitores e ouvintes. Belo Horizonte: Autêntica 2001.

CARDOSO, L. Literatura de cordel: uma questão da historiografia literária brasileira. [S.l.]: Clube de Autores, 2008.

SANTOS, L. A. A. Literatura de cordel e migração nordestina: tradição e deslocamento. [S.l.: s.n.: 20?]. Disponível em: <http://www.gelbc.com.br/pdf_revista/3505. pdf> . Acesso em: 12 dez. 2014.

 

Poeta João Antônio de Barros – Produção Literária

A carta de um tabaréu segundo a língua caipira

A metamorfose é só em São Paulo

As receitas do Doutor Prodocopéia, raízes dos disparates

Atentado ao Santo Padre

Bebê diabo apareceu em São Paulo

Doutor! Que faz em cordel?

Encontro de Dúbal Ribeiro com o bandido Zé Cabelo

Lampião e Maria Bonita no paraíso

Lampião e Maria Bonita no Paraíso do Édem, tentados por Satanás

Lampião e Maria Bonita tentados por Satanaz

Lampião, governo geral do Inferno

Mensageira do Diabo ou a mulher vampiro

Mitos e magia no cordel brasileiro

O encontro da crente que virou bêsta (sic) com o crente que virou jumento

O encontro de Urutu com Dioguinho, o valentão do sul do Brasil

O homem de Nazareth

O mão de aço

O que faz o nordestino em São Paulo

O rapaz que virou cachorro porque zombou do Padre Cícero Romão

Os primogênitos do rapaz que casou com uma porca ou a porcaria de Romeu

Peleja de Aderaldo filho do Cego, com Alexandre o neto de Zé Pretinho

Peleja de José Gaspar com João de Barros

Profecias do Padre Cícero até o ano dois mil

Tarciana e Juarêz

Vamos defender a ecologia

Zé Limeira