Arquivo da tag: Francisco das Chagas Batista

Poeta Francisco das Chagas Batista – Produção Literária

A caravana democrática em ação

A descrição do Amazonas

A hecatombe de Piancó e a morte do Padre Aristides

A maldição da nova seita

A morte de Cocada e a prisão de sua orelhas

A morte do inspetor de Santa inês

A vida de Antônio Silvino

Antônio Silvino, vida, crimes e julgamento

Cantadores e poetas populares

Conselheiros do padre Cícero a lampião

Escrava Isaura (Escrava heroica)

História completa do celebre cangaceiro Antônio Silvino: sua vida de crimes e seu julgamento

História da Imperatriz Porcina

História de Dimas, o Bom Ladrão

História de Esmeraldina

História de Guimar

História de Maria Rita

História do capitão Lampião

Novos crimes de Lampião

O marco de Lampião

O mundo às avessas

O povo na cruz

O valente Vilela

Os decretos de Lampião

Os revoltosos no Nordeste

Quo Vadis? O amor e a virtude

Poeta Francisco das Chagas Batista – Síntese biográfica

Francisco das Chagas Batista (05/05/1882 – 26/01/1930)

Pioneiro, membro da primeira geração de poetas populares, o paraibano Francisco das Chagas Batista nasceu na Vila do Teixeira no dia 05 de maio de 1882. Aos 18 anos, comercializava água e lenha, e era estudante na cidade paraibana de Campina Grande; aos 20 anos, produziu seu primeiro folheto intitulado Saudades do sertão (1902). Nos idos de 1905, ele passou a vender folhetos no Recife, além de passar um curto período de tempo no seminário da cidade de Olinda; em seguida, foi trabalhar na ferrovia de Alagoa Grande, Paraíba.

Foi poeta popular, escritor e editor. No ano de 1907, Francisco das Chagas inovou ao rimar o romance polonês Quo Vadis: Powieść z czasów Nerona (1895), escrito por Henryk Sienkiewicz, cujo tema é a perseguição aos cristãos, após o grande incêndio de Roma. Sua passagem no universo literário também incluiu atividades na seara editorial, ocasião em que residia em Guarabira, Paraíba, trabalhando com o editor e irmão Pedro Batista (1909), em Guarabira, Paraíba.

Chagas Batista casou-se com a prima Hugolina Nunes da Costa (1909), que era filha do cantador Ugolino Nunes da Costa. O casal teve 11 filhos. Alguns herdaram a veia artística do pai, como os poetas populares: Paulo, Pedro, Maria das Neves e o folclorista Sebastião Nunes Batista, produtor de obras referenciais do cordel.

Intelectual reconhecido, sua paixão pelos livros o fez adentrar no mercado livreiro em 1911, em João Pessoa (ainda chamada de Paraíba). Dois anos depois, em 1913, fundou a sua Livraria Popular Editora, localizada na Rua da República, n. 65 (depois n. 584).

Ativo e empreendedor, ele foi um dos primeiros editores de cordel e imprimiu produções de muitos poetas populares da época.

Francisco das Chagas Batista morreu jovem, aos 48 anos, em João Pessoa, no dia 26 de janeiro de 1930.

FONTES CONSULTADAS

CHAGAS Batista. [S.l.: s.n., 20?]. Disponível em: <http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar./index.php>. Acesso em: 07 nov. 2014.

CHAGAS Batista. In: O NORDESTE: Enciclopédia Nordeste. [S.l.: s.n., 20?]. Disponível em: <http://www.onordeste .com/onordeste/enciclopediaNordeste/index.php?titulo=Chagas+Batista>. Acesso em: 07 nov. 2014.

BATISTA, F. C. Biografia. [S.l.: s.n., 20?]. Disponível em: <http://www.casaruibarbosa.gov.br/cordel/FranciscoChagas/franciscoChagas_biografia.html>. Acesso em: 07 nov. 2014.

GASPAR, L. Chagas Batista. [Fundação Joaquim Nabuco s.n., 20?]. Disponível em: <http://basilio.fundaj.gov.br/ pesquisaescolar./index.php?option=com_content&view=article&id=928:chagas-batista&catid=38:letra-c&Itemid=1>. Acesso em: 07 nov. 2014.