Poeta José Costa Leite – Síntese biográfica

José Costa Leite (27/07/1927)

Natural da cidade de Sapé na Paraíba, José Costa Leite nasceu em 27 de julho de 1927. Filho de Paulino Costa Leite e Maria Rodrigues dos Santos, o poeta popular e xilógrafo vive em Condado, Pernambuco. Diz que nunca frequentou a escola, tendo aprendido a ler soletrando folhetos de cordel. Em relação à cidade escolhida para residir, o poeta revela em seu cordel intitulado Quem gostar de Terra boa só quer morar em Condado e justifica o porquê da escolha da referida cidade como se pode testemunhar nas estrofes que seguem:

 A antiga Goianinha

Que é Condado hoje em dia

É a terra da magia

Que o povo sempre acarinha

Tem a cidade vizinha

Goiana no mesmo estado

 

Condado

É um lugar amado

A notícia sempre voa

Só quer morar em Condado.

 

É estrela da zona da Mata Norte

Da zona pernambucana

É a cidade da cana

Seu terreno é muito forte

Bom pra se pegar transporte

Tem carro pra todo lado

É o lugar apropriado

Onde não tem gente a-toa

Quem gosta de terra boa

Só quer morar em Condado.

Condado é terra da jaca

Manga, mamão, macaxeira

Pra população inteira

Até mesmo em Jararaca

A produção não é fraca

Dar cada inhame aloprado

Só vive contando loa

Quem gostar de terra boa

Só quer morar em Condado.

 

O Condado é bom demais

Pra quem planta agricultura

Pois é terra da fartura

E muita gente, aliás

Na lavoura vive em paz

Planta muito e tem lucrado

Lavoura no seu roçado

E canta dizendo loa

Quem gostar de terá (terra?) boa

Só quer morar em Condado.

Em 1947, ele começa a vender folhetos nas feiras do interior e, em 1949, publica seus primeiros títulos: Eduardo e Alzira Discussão de José Costa com Manuel Vicente. Logo em seguida, improvisa-se xilógrafo, gravando na madeira a imagem que ilustra seu terceiro título: O rapaz que virou bode. Torna-se, assim, um profissional polivalente, exercendo todas as atividades ligadas à literatura popular: é poeta, editor, ilustrador e continua a vender folhetos, de feira em feira. Todavia, ele alerta:

 O cordel já vem do sangue

Tinha recebido a seta

Da deusa da poesia

Numa paisagem direta

Olhando um dicionário

Pois não há Educandário

Que ensine a ser poeta.

 

Pois a pessoa já nasce

Trazendo a poesia

No dia que ele morrer

Ela vai em companhia

Pois a poesia é bela

O vivente nasce com ela

E no juízo ela se cria.

José Costa Leite, com sua poética peculiar, seduz pela forma como transita entre a poesia, a história e a ficção, fabulando em versos que representam e imprimem por meio da palavra sua cosmovisão de mundo (CABRAL, 2013). Deixa fluir uma sensibilidade que o faz caminhar por entre mundos reais e fantásticos. Seu olhar poético o faz se apropriar das coisas que estão à sua volta, retratando o Brasil e seu povo, ou seja, toda sua arte origina-se na realidade social relacionada sempre às condições de espaço, tempo, cultura e relações sociais. Com estes elementos, o poeta explora, inventa e transmite, por meio da linguagem, seus sonhos, utopias e desejos.

FONTES CONSULTADAS

CABRAL, Geovanni Gomes. Biografia, trajetórias e memória: histórias do poeta José Costa Leite. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA, 17., 2013, Natal. Anais… Natal, 2013.

CABRAL, Geovanni Gomes. Relatos orais, memória e narrativa: histórias do poeta José Costa Leite 1950-1960. [S.l.: s.n., 20?]. Disponível em: <http://www.encontro 2012.historiaoral.org.br/resources/anais/3/1340373289_ARQUIVO_ArtigoGeovanni-XIEncontroHistoriaOral.pdf>. Acesso em: 09 set. 2014.

CARVALHO, Márcia Ferreira de. A representação da mulher e de satanás em José Costa Leite. [S.l.: s.n., 20?]. Disponível em: <http://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/ actas/article/viewFile/15862/9075>. Acesso em: 09 set. 2014.

MONTEIRO, Ênio Chaves; PIRES, Vera. Tautologia da xilogravura de cordel: oralidade, texto e imagem. Nau Literária, v. 1, n. 9, jan./jun. 2013.

OLIVEIRA JUNIOR, Rômulo José Francisco de. Como se consagra um mito?: representações do cangaceiro Antonio Silvino nos cordéis de José Costa Leite. Revista Tempo Histórico, v. 5, n. 1, p. 1-15, 2013.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s