Arquivo da tag: Francisco Severino da Silva

Poeta Francisco Severino da Silva – Produção literária

90 anos de encantos de um Pavão Misterioso (2013)

A história na visão de um pervertido sexual (2014)

A volta de Marisa Tayra ao céu (2015)

Águas da transposição na Paraíba (2017)

AMECC 25 anos acolhendo crianças e adolescentes (2015)

Cidade Luz da Paraíba (2016)

Esgoto tratado: uma questão de saúde (2013)

Fazendo história em cordel – volumes 1, 2 e 3 (2015)

Flor de Mulungu (2016)

Guarabira capital nordestina do cordel (2016)

Guarabira da feira ao celeiro de artistas (2015)

Guarabira e a memória do cordel (2015)

Mais vale um toque retal do que um câncer mortal (2015)

Mamulengo Chico Tampa, Babau na Paraíba & Patrimônio Cultural do Brasil (2016)

Memória de um lunático (2015)

Minha vida é uma viagem (2015)

Minipasseio pelo mundo dos cordéis (2016)

Na feira de Mangaio (Em parceria com Severino Honorato – 2016)

Não jogue seu voto no lixo! Vote no Gari (2012)

O bêbado e a mercearia cultural – 2. ed. (2016)

O bêbado e a mercearia cultural (2015)

O índio brasileiro (2015)

O jeitinho brasileiro (2015)

O Memorial Frei Damião, o romeiro e a fé (2014)

O nordestino teimoso que não aprende a lição (2017)

O que foi pro beleléu (2015)

Parabéns Guarabira – 128 anos de emancipação política (2015)

Pela décima vida Severina (2015)

Pruquê batê in mulé qui naisceu só prá amá? (2014)

Reflexões de um mendigo (2014)

Saiu a lista da gangue que rouba a nossa nação (2016)

Tá difícil ser brasileiro (2017)

Toque de união do natal – 2. ed. (2016)

Toque de união no natal (2015)

Uma professora muito maluquinha – resumo da obra de Ziraldo (2014)

Viajando no mundo dos cordéis (2016)

Poeta Francisco Severino da Silva – Síntese biográfica

Chico Mulungu é o pseudônimo do poeta popular paraibano Francisco Severino da Silva, que faz jus à sua cidade natal, pois Chico nasceu em um município da microrregião de Guarabira, Mulungu, distante 100,2 km da capital paraibana. Quando jovem, ele foi trabalhar e estudar na capital paraibana (João Pessoa), onde residiu em uma república estudantil com um amigo. O poeta Chico Mulungu recorda:

[…] comi o pão que o diabo amassou, mas felizmente consegui trilhar pelo caminho do bem na vida. Em 1982, cheguei a São Paulo, cidade onde vivi por vários anos, até ser acometido por um câncer maldito em 1986. Casei-me em 1988 no Rio de Janeiro e um ano depois voltei definitivamente para minha Paraíba para fixar residência em Guarabira, cidade onde vivo até hoje. Tenho como estímulo para minha vida, filhos, neto e a poesia! (FORMULÁRIO 15, 2017)

O poeta nasceu no dia 24 de agosto de 1965 e iniciou a sua produção cordelística tardiamente, aos 50 anos (2015), mas já publicou, de forma independente, mais de dez títulos, porém começou a escrever poesia ainda adolescente, com catorze anos (1979) (FORMULÁRIOS 8 (2017); FORMULÁRIO 9 (2017); FORMULÁRIO 15 (2017).

Seu primeiro cordel é intitulado O Bêbado e a Mercearia Cultural, que faz parte da série cordel encarnado, composta de 13 cordéis: 2 – Minha Vida é uma Viagem (09/2015); 3 – Guarabira da Feira ao Celeiro de Artistas (10/2015); 4 – Pela Décima Vida Severina (11/2015); 5 – AMECC 25 Anos Acolhendo Crianças e Adolescentes (11/2015); 6 – Toque de União no Natal (12/2015); 7 – Na Feira de Mangaio (em parceria com Severino Honorato – 03/2016); 8 – Guarabira Capital Nordestina do Cordel (04/2016); 9 – Flor de Mulungu (05/2016); 10 – Mamulengo Chico Tampa, Babau na Paraíba & Patrimônio Cultural do Brasil (06/2016); 11 – O Bêbado e a Mercearia Cultural – 2. ed. (07/2016); 12 – Cidade Luz da Paraíba (11/2016); 13 – Toque de União do Natal – 2. ed. (12/2016).

Além dos cordéis, Chico Mulungu lançou, em 2015, um livro infantojuvenil intitulado Fio-fio Cabelos de Sapo em a Multiplicação do Ovo (SANTOS, 2015).

Chico Mulungu afirma que sua verve poética popular é inspirada no conterrâneo Severino Honorato (Don Severo), além de grandes poetas populares, como Antônio Francisco, José Camelo de Melo Rezende, Leandro Gomes de Barros, Manoel Camelo dos Santos, Manoel Camilo dos Santos e Patativa do Assaré (FORMULÁRIOS 8 (2017); FORMULÁRIO 9 (2017); FORMULÁRIO 15).

Eis uma das poesias de Francisco Severino da Silva:

MAMULENGO CHICO TAMPA
 
Assim é o Chico Tampa
Um boneco popular,
Criação de bonequeiro,
Feito para encantar
E ao mundo da criança
Trazer boa esperança,
Ternura pra todo olhar.
 
É até muito comum
Pelos rincões nordestinos
A presença dos fantoches,
Mamulengos peregrinos,
Viajantes sim senhor
Com seu apresentador,
Ligados pelos destinos.
 
Conheci o Mestre Clébio
Nas ruas de Guarabira,
Importante bonequeiro
Que o babau admira,
Trazendo na sua mala
Personagens que embala
E encanta, sem mentira.
 
Em mala de bonequeiro
Deve ter bom figurino.
Saber vestir os bonecos,
Homem, mulher ou menino,
É dar vida a espetáculos
Nas praças, nos tabernáculos
Do interior nordestino.
(MAMULENGO, 2017)

O poeta rememora ainda que o pai também o estimulou para a literatura de cordel, por ser um amante incondicional dessa arte, pois tinha o hábito de adquirir os folhetos para ler para uma plateia em sua residência (FORMULÁRIO 15, 2017).

Membro da Academia Virtual de Letras António Aleixo (AVL), ele ocupa a cadeira 24, cujo patrono é José Lins do Rego (APOGEU …, 2017; FORMULÁRIO 9, 2017; ). O poeta é casado com Maria de Lourdes Pereira da Silva.

FONTES CONSULTADAS

APOGEU Poético: Homenagem Póstuma ao Patrono da AVL António Aleixo – Chico Mulungu. In: Academia Virtual de Letras António Aleixo. [S.l. : s.n.]. 26 nov. 2016. Disponível em: <http://academiavirtualdeletrasantonioaleixo.blogspot.com.br/2016/11/apogeu-poetico-homenagem-postuma-ao_86.html&gt;. Acesso em: 15 maio 2017.

MULUNGU, Chico. Mamulengo Chico Tampa. In: O Cordel Encarnado de Chico Mulungu. [S.l. : s. n.]. 29 jun. 2016. Disponível em: <http://martinhoalves.blogspot.com.br/2016/06/o-cordel-encarnado-de-chico-mulungu.html&gt;. Acesso em: 15 maio 2017.

SANTOS, Anderson. Escritor Chico Mulungu lança o livro “FIO-FIO CABELOS DE SAPO EM A MULTIPLICAÇÃO DO OVO. In: Portal mídia. [S.l. : s.n.]. 12 set. 2015. Disponível em: <http://portalmidia.net/escrito-chico-mulungu-lanca-o-livro-fio-fio-cabelos-de-sapo-em-a-multiplicacao-do-ovo/&gt;. Acesso em: 15 maio 2017.

SILVA, FRANCISCO SEVERINO DA. Formulário 08, respondido online no blog Memórias da Poesia Popular em 11/03/2017. Disponível em: <https://memoriasdapoesiapopular.com.br/>.

SILVA, FRANCISCO SEVERINO DA. Formulário 09, respondido online no blog Memórias da Poesia Popular em 11/03/2017.Disponível em: <https://memoriasdapoesiapopular.com.br/>.

SILVA, FRANCISCO SEVERINO DA. Formulário 15, respondido online no blog Memórias da Poesia Popular em 16/04/2017.Disponível em: <https://memoriasdapoesiapopular.com.br/>.