Poeta Antônio Queiroz de França – Síntese biográfica

Cearense de Jaguaretama, Antônio Queiroz de França nasceu no dia 22 de junho de 1948. Esse cordelista, que fixou residência em Maracanaú (CE) em 1972, é membro da Sociedade dos Poetas e Escritores de Maracanaú (SOPOEMA), da Sociedade dos Amigos de Rodolfo Teófilo (SOCIARTE) e da Associação dos Escritores, Trovadores e Folheteiros do Estado do Ceará (AESTROFE) (A LITERATURA…, [20–]; FRANÇA, 2010c; O MANIFESTO…, 2011).

Antônio Queiroz produziu e adaptou clássicos da literatura mundial à linguagem cordelística, sendo um poeta popular premiado no I Concurso Paulista de Literatura de Cordel e classificado no II em 2003 (FRANÇA, 2010c; O MANIFESTO…, 2011).

Autodidata, publica cordéis de denúncia ao capitalismo e em favor da transformação social com produção poética de qualidade técnica, atendendo à métrica e à rima próprias do cordel, e embasado historicamente; por isso, reconhecido como “grande poeta que coloca sua arte a serviço do povo” (A LITERATURA …, [20–]). Outra característica é a ilustração como elemento inovador em sua produção literária popular em formato de cordel.

Assim versou o Manifesto Comunista (1847) de Karl Marx e Friedrich Engels, narrando a motivação do manifesto, historiando o socialismo e a luta dos trabalhadores. De acordo com Menezes (2015), o poeta afirmou: “Escrevi desta forma para facilitar a assimilação por quem é menos politizado”.

O manifesto comunista em versos

Pensadores, sociólogos,

Cientistas sociais

Preocupam-se com o Homem,

Esse “rei dos animais”,

Que cultiva o egoísmo.

Da ética, não lembra mais.

Devido à desigualdade,

Estudam a economia,

E chegam à conclusão

Que a poucos privilegia.

Sem o mínimo pra ter vida,

Sofre a grande maioria.

Fizeram a divisão,

Após “estudos profundos”:

“Primeiro mundo”, dos ricos;

“Terceiro”, dos moribundos.

Os pobres, escravizados

Por burgueses dos dois mundos.

Um grande gênio alemão,

E um outro camarada,

Prepararam uma tese,

Da humanidade estudada,

E descobriram a causa

Da fome verificada.

[…]

(FRANÇA, 2010, p. 11)

Em O beato Zé Lourenço e o massacre do Caldeirão, França (2011b) cumpre o que é próprio do cordel: perpetuar fatos e personagens históricos no imaginário popular.

INSISTO MAIS UMA VEZ

Em pedir que os leitores

Leiam a saga do povo

(Suas lutas, seus valores).

Apesar de sermos mais

Do que os nossos rivais,

Somos sempre perdedores.

Lembro o menino e o boi,

Cuja metáfora contém

A pura realidade:

Menino puxa, o boi vem!

Esse domínio acontece

Porque o boi não conhece

A enorme força que tem.

Outra vez uso a caneta

Para escrever sobre a pena

Que esse Estado, à revelia,

A todo o povo condena,

Assim age a autoridade:

Se quisermos liberdade

As armas entram em cena.

Assim foi lá em Canudos,

Desde a lusa invasão,

E no reino dos Palmares,

Balaiada, em Maranhão …

Neste trabalho revivo

Parte de um triste arquivo

Da história do Caldeirão.

No Estado do Ceará,

Na cidade de Juazeiro,

Aonde vai romaria

Do Brasil e do estrangeiro,

Da Paraíba, um José,

Atraído pela fé,

Foi um famoso romeiro.

[…]

(FRANÇA, 2011b, p. 11-13)

Preocupação inerente do poeta em divulgar grandes personagens, poetizou o pensamento do comandante da integração latino-americana Ernesto Guevara de La Serna.

As aventuras do guerrilheiro Che Guevara

Companheiros desejosos

De justiça social,

Quero lembrar nestes versos

Um alguém especial,

Que morreu pela defesa

Da divisão da riqueza

E da paz universal.

Preservando o ser humano,

Incutindo a consciência

De que por fraternidade

Reclama nossa existência,

Ou o homem muda a ideia,

Ou o fim dessa odisseia

Nega a nossa inteligência.

É causa de vida ou morte,

Além de ideologia,

Que nós lutemos por isso,

Pra mudar a economia,

Porque, na realidade,

Como anda a humanidade,

Do fim está perto o dia.

[…]

(FRANÇA, 2010a, p. 13)

FONTES CONSULTADAS

A LITERATURA de cordel de Antônio Queiroz de França a serviço da revolução. [S.l.: s.n]. In: Inverta. [20–]. Disponível em: <https://inverta.org/jornal/edicao-impressa/482/cultura/a-literatura-de-cordel-de-antonio-queiroz-de-franca-a-servico-da-revolucao&gt;. Acesso em: 17 set. 2017.

FRANÇA, Antônio Queiroz de. A história da heroína Olga Benário: literatura de cordel. Brasília: Ensinamento, 2011a. 120 p. ISBN 9788562410291.

FRANÇA, Antônio Queiroz de. As aventuras do guerrilheiro Che Guevara: literatura de cordel. Brasília: Ensinamento, 2010a. 120 p. ISBN 9788562410147.

FRANÇA, Antônio Queiroz de. O beato Zé Lourenço e o massacre do Caldeirão. Brasília: Ensinamento, 2011b. 108 p. ISBN 9788562410185.

FRANÇA, Antônio Queiroz de. O cavaleiro da esperança e a coluna Prestes. Brasília: Ensinamento, 2011c. 119 p. ISBN 9788562410192.

FRANÇA, Antonio Queiroz de. Os três anciãos: literatura de cordel. Brasília : Ensinamento, 2010b. 84 p. ISBN 9788562410222.

FRANÇA, Antônio Queiroz de; GERALDINO, Rômulo (Il.). O manifesto comunista em versos. Brasília : Ensinamento, 2010c. 83 p. ISBN 9788562410215.

MENEZES, Cynara. O manifesto comunista em cordel. [S.l. : s.n.]. In: Socialista morena. 9 jun. 2015. Disponível em: <http://www.socialistamorena.com.br/o-manifesto-comunista-em-cordel/&gt;. Acesso em: 17 set. 2017.

O MANIFESTO comunista em cordel. In: Plaggiado. 26 fev. 2011. Disponível em: <http://plaggiado.blogspot.com.br/2011/02/o-manifesto-comunista-em-cordel.html&gt;. Acesso em: 17 set. 2017.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s